quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Seminário: Autismo

Caros (as),

A Sobepi divulga o seminário:

'Autismo - este enigma'

[Tela de Ismael Nery]

“O curso pretende compartilhar o enigma constituído pela criança autista, enfatizando com teoria e exemplos clínicos a abordagem psicanalítica com estas crianças. Serão também oferecidas filmagens, visando clarear o conhecimento sobre a peculiaridade existencial destes nossos pequenos pacientes.”

(Docente: Manuela Birtel, psicanalista membro da Sobepi).

> Datas: 07, 21 e 28 de fevereiro (sempre às 4as).
> Horário: 12h às 14h.
> Local: Sobepi (R. Elvira Machado, 06 - Botafogo / RJ).

> Investimento:
Membros: R$320, ou 2 parcelas de R$160 (1ª no ato da inscrição e a 2ª até dia 28/02)
Público Externo: R$360, ou 2 parcelas de R$180 (1ª no ato da inscrição e a 2ª até o dia 28/02)

Um abraço a todos,
Diretoria Colegiada

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Seminários 2018/1

Prezados membros e amigos,

É com alegria que a Sobepi divulga os seminários da Formação em Psicanálise para 2018/1:

[Freud e Eva Freud]

Seminários da Formação:
*Sempre aos sábados: 10 e 24/3; 7 e 28/4; 12 e 26/5; 2, 16 e 30/6; 7/7.

'Conceitos Fundamentais em Psicanálise'


"A Psicanálise pode ser abordada em 3 níveis: como método de investigação que consiste essencialmente na evidenciação do significado inconsciente das palavras, das ações e das produções imaginárias do indivíduo;
como método psicoterápico baseado nesta investigação e se dá através da interpretação e da relação transferencial; e como um conjunto de teorias psicológicas e psicopatológicas que são sistematizados.

A Psicanálise tem como objetivo a investigação e compreensão do Inconsciente. O EU não é "senhor da própria casa”. O ser humano, portanto, não governa sua subjetividade. Seu psiquismo inconsciente é que determina o consciente. Daí a importância, através do estudo da Psicanálise, de poder adentrar os meandros da mente humana em suas várias camadas.

A trajetória dos conceitos fundamentais que formam seus pilares passará pela introdução dos seguintes tópicos: Inconsciente, 1º Tópica, Recalque, Sonhos, 2º Tópica, Pulsão, Narcisismo, Édipo e Transferência."

> Horário: 13h às 14h30 (sala A)
> Docente: Maria Eugênia Reis (psicóloga e psicanalista)


'Infância, Sociedade e Cultura'

Nas sociedades da disciplina e do controle, as práticas de produção de subjetividade no âmbito da infância operam em diferentes vetores. Compreendida como uma construção sócio-histórica da Modernidade, a infância vem sendo alvo, desde então, de processos de produção subjetiva que têm nos saberes e nas práticas de cunho cientificista, calcadas no modelo naturalista médico, em aliança com a disciplina e o controle presentes na instituição escolar, um dos vetores mais eficazes para sua conformação. No cenário mais atual, também estão presentes a indústria cultural e as novas mídias.

Neste seminário, temos como objetivo discutir a constituição da criança escolarizada como a resultante de um movimento que, do ponto de vista epistemológico, produziu a normatização, e, do ponto de vista institucional, a normalização da infância.


No tempo presente, a criança-aluno não é apenas o alvo de uma tipologia normalizadora estritamente pedagógica, pois a infância escolarizada entrou na esfera da medicalização e da patologização de suas condutas, numa crescente ampliação das práticas reguladoras daquilo que escapa à norma, onde a escola tem sido um dos locus privilegiados desse processo.


Esses processos de assujeitamento estariam contribuindo para a despotencialização do viver criativo? Estariam preparando o terreno para a predisposição psicossocial para a emergência de sujeitos com uma personalidade  permeável ao autoritarismo? 


Seria possível pensar dispositivos que favoreçam e promovam o alargamento do espaço potencial na escola, apontando outros destinos  para essa importante instituição na vida das crianças? A patologização de condutas e a medicalização de crianças estariam cumprindo a função de controle subjetivo, apoiadas na disciplina e na biopolítica?


O que pode a psicanálise na escuta desse mal-estar da infância na escola, frente a estes novos cenários?
Neste seminário, propomos discutir estas questões à luz de autores do campo da filosofia e da psicanálise que as abordaram em seu pensamento, como M. Foucault, G. Deleuze, S. Ferenczi, D. Winnicott e outros que seguiram as sendas abertas por estes, ampliando-as e desdobrando-as em novos caminhos.

> Horário: 10h30 às 12h.
> Docente: Mario Orlando Favorito (Psicanalista membro efetivo da Sobepi; Mestre em Filosofia e Doutor em Psicologia Clínica pela PUC-RJ).


'Neurose Obsessiva'

"De obsessivos e obsessões: um percurso através da neurose obsessiva. O seminário propõe transitar desde a perspectiva de Freud, partindo do caso do Homem dos Ratos, até Filón, apresentado por Serge Leclaire, referências fundamentais para a apreensão psicanalítica da Neurose Obsessiva."

> Horário: 13h às 14h30 (no auditório, por skype)
> Docente: Jorge Volnovich (psicanalista, membro fundador da Sobepi)


*Informações e inscrições:
(21) 2275-8205 / sobepi@sobepi.org.br

Um abraço a todos,
Diretoria Colegiada

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Formação em Psicanálise 2018

A Sobepi divulga:

Formação em Psicanálise 2018




Estudo da teoria psicanalítica + Prática clínica (atendimento e supervisão). 

Público alvo: estudantes universitários cursando o último período de graduação, bem como profissionais de qualquer área de atuação (psicólogos, médicos, advogados, assistentes sociais, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, pedagogos, sociólogos, filósofos, antropólogos, etc).

*Seminários específicos da formação;
* Seminários quinzenais;
*Grupo de formação sob supervisão/coordenação de psicanalista da instituição;

> Para informações e inscrições: 
(21) 2275-8205 / sobepi@sobepi.org.br

Um abraço a todos
Diretoria Colegiada

Natal 2017

Prezados membros e amigos,


É com alegria que convidamos para o a confraternização da Sobepi!

Dia 9/12 (sábado), às 15h.
Leve de beber ou de comer para fecharmos o ano celebrando nossa amizade!

Um abraço a todos
Diretoria Colegiada

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Infância e adolescência no século XXI

Prezados membros e amigos, a Sobepi divulga:

Grupo de estudos: 

"Infância e adolescência no século XXI"




Os desafios impostos pelos tempos atuais convocam abordagens, pensamento e sensibilidade também atuais. A psicanálise, ao sustentar a potência do inconsciente como verdade do sujeito, tem muito a contribuir diante de questões contemporâneas como bullying, transtornos alimentares, medicalização e sexualidade.

Conceitos como ‘brincar’, ‘agressividade’, ‘inconsciente’, serão estudados a partir (mas não só) de dois autores fundamentais no campo psicanalítico, que se mostram incrivelmente atuais: Ferenczi e Winnicott – ambos autodenominados freudianos, com percursos peculiares e instigadores.

Assumimos, como Bezerra Jr. (2013), que é preciso “um diálogo desassombrado e aberto com as diversas maneiras de entender a consciência, a experiência subjetiva e o sujeito”. Este grupo de estudos em psicanálise fica, assim, aberto também a profissionais e estudantes de outras áreas que se sensibilizem com as questões expostas e com a abordagem psicanalítica.


Coordenadores:
Lourdes Lira (psicanalista membro efetivo da SOBEPI)
Rodrigo Tupinambá (psicanalista membro efetivo da SOBEPI)

Início: 12 de Março de 2018. Duração indeterminada.
Horário:  2af, quinzenal, de 12h às 13h30.

Vagas: 12
Condição: Entrevista com os coordenadores.

Investimento semestral: 
R$ 350 (membros) / R$ 450 (público externo) - em 03 parcelas.

Local: Sobepi (Rua Elvira Machado, 06 - Botafogo/RJ)
Inscrições: (21) 2275-8205 / sobepi@sobepi.org.br

Um abraço a todos
Diretoria Colegiada

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

XIX Jornada Científica Interna da SOBEPI

“Luto e Melancolia:
100 anos de desafios e atualidades”

[28 de Outubro de 2017]
Programação:
10h – Abertura
10h15 – Mesa 1: “Depressão e Clínica Psicanalítica Contemporânea.”
Palestrante: Issa Damous
(Doutora em Psicologia Clínica – PUC/RIO; Profa. Adjunta e Supervisora do Depto. de Psicologia UFF/ Rio das Ostras).



[12h – Almoço]

13h30 – Mesa 2: “As Avós da Praça de Maio: quando o luto se fez verbo

Palestrante: Márcia Balmberg
(Membro em Formação da SOBEPI)

[15h – Coffee Break]

15h30 - Mesa 3: Reunião Interna dos Membros da SOBEPI - preparação para a XX Jornada Científica.

Local: SOBEPI (Rua Elvira Machado, 06 – Botafogo/RJ)
Inscrições & Info: (21) 2275-8205 / sobepi@sobepi.org.br

sobepi.blogspot.com.br
facebook.com/SobepiPsicanalise
facebook.com/groups/sobepi
sobepi.org.br

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Freud e a homossexualidade

“Minha querida Senhora,
Lendo a sua carta, deduzo que seu filho é homossexual. Chamou fortemente a minha atenção o fato de a senhora não mencionar este termo na informação que acerca dele me enviou. Poderia lhe perguntar por que razão? Não tenho dúvidas que a homossexualidade não representa uma vantagem, no entanto, também não existem motivos para se envergonhar dela, já que isso não supõe vício nem degradação alguma.


Não pode ser qualificada como uma doença e nós a consideramos como uma variante da função sexual, produto de certa interrupção no desenvolvimento sexual. Muitos homens de grande respeito da Antiguidade e Atualidade foram homossexuais, e dentre eles, alguns dos personagens de maior destaque na história como Platão, Miguel Ângelo, Leonardo da Vinci, etc. É uma grande injustiça e também uma crueldade, perseguir a homossexualidade como se esta fosse um delito. Caso não acredite na minha palavra, sugiro-lhe a leitura dos livros de Havelock Ellis.

Ao me perguntar se eu posso lhe oferecer a minha ajuda, imagino que isso seja uma tentativa de indagar acerca da minha posição em relação à abolição da homossexualidade, visando substituí-la por uma heterossexualidade normal. A minha resposta é que, em termos gerais, nada parecido podemos prometer. Em certos casos conseguimos desenvolver rudimentos das tendências heterossexuais presentes em todo homossexual, embora na maioria dos casos não seja possível. A questão fundamenta-se principalmente, na qualidade e idade do sujeito, sem possibilidade de determinar o resultado do tratamento.

A análise pode fazer outra coisa pelo seu filho. Se ele estiver experimentando descontentamento por causa de milhares de conflitos e inibição em relação à sua vida social a análise poderá lhe proporcionar tranqüilidade, paz psíquica e plena eficiência, independentemente de continuar sendo homossexual ou de mudar sua condição.”

(Freud, Sigmund - 18 de Abril de1935. A carta está exibida no Museu de Sexologia, em Londres)